Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Torre de Babel

Torre de Babel

Eiko Ishioka: quem foi e porque é homenageada com um Google Doodle

No mundo dos figurinos e do design gráfico, Eiko Ishioka é um nome que brilha. A japonesa recebe hoje uma homenagem da Google pela sua fantástica carreira, neste dia que seria o seu 79º aniversário se a artista ainda estivesse entre nós. Ao longo da sua carreira, Ishioka ganhou prémios importantes e imprimiu uma marca original dentro da indústria na qual se notabilizou.

 

arar-eiko-ishioka-01-v.jpg

 

Ganhando um Óscar, um Grammy e duas indicações para o prémio Tony, o trabalho de Eiko Ishioka (1938-2012) tinha uma maneira de ocupar o lugar central, independentemente do meio. Desde anúncios impressos a capas de álbuns para figurinos do cinema, teatro ou dos Jogos Olímpicos, a icônica designer japonesa fez um pouco de tudo durante a sua carreira de décadas, muitas vezes de forma absolutamente original.

 

Nascida e criada em Tóquio, Ishioka optou por uma carreira em design gráfico num momento em que havia poucas mulheres na indústria. Apesar dos desafios que enfrentou, Eiko ultrapassou de forma artística muitas fronteiras sociais. Os seus primeiros anúncios impressos evocavam muitos dos mesmos temas que mais tarde definiriam o seu design de fantasia: negro, surreal e consistentemente inesperado.

 

Eiko Ishioka ganhou reconhecimento global ao projetar figurinos para o filme vencedor de um Óscar Drácula, de Francis Ford Coppola, em 1992, uma capa ganhadora de um Grammy para o álbum Tutu de Miles Davis, e os jogos e figurinos do espetáculo da Broadway Madame Butterfly, que recebeu duas nomeações para prémios Tony. Ela trabalhou em estreita colaboração com o diretor Tarsem Singh em vários filmes ao longo da sua carreira, incluindo a película Espelho, Espelho Meu de 2012.

 

eiko-ishiokas-79th-birthday-5647813982552064-2xa.g

 

Apresentando alguns dos famosos desenhos de Eiko Ishioka para o filme Um Sonho Encantado, de 2006, o Google Doodle desta quarta-feira, 12 de julho, comemora o trabalho revolucionário da figurinista japonesa, naquele que seria o dia do seu 79º aniversário caso ainda fosse viva.