Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Torre de Babel

Torre de Babel

O funeral do imperador Augusto e os 31 dias de agosto

A morte dos seres mais queridos nos quais Augusto depositara todas as esperanças de perpetuação dos seus êxitos, a traição de familiares implicados em conspirações contra o império e a instabilidade política desencadeada em várias províncias do território romano ensombraram os últimos anos da vida do imperador.

 

Quando já não tinha sequer voz para a leitura de documentos na Cúria, Augusto decidiu retirar-se definitivamente da vida pública. Morreu em Nola, na Campânia, no dia 19 de agosto do ano 14, aos 75 anos, 10 meses e 26 dias de idade. Faltavam somente 13 dias para se cumprirem 44 anos do seu governo imperial, um dos mais longos da história de Roma. Durante a sua longa vigência, "representara com fidelidade a farsa da vida", segundo as suas próprias palavras.

 

b65c507901649d0ad20144b761370848.jpg

Reconstituição artística do rosto de Augusto segundo os seus bustos que chegaram até aos nossos dias.

 

Lívia (esposa de Augusto) manteve secreta a notícia da sua morte até que Tibério (sucessor de Augusto no trono imperial) estivesse presente em Roma. O cadáver foi conduzido pelos notáveis de cada cidade pelas quais passava o cortejo fúnebre. Perto da capital, tomaram relevância os cavaleiros, que o conduziram ao Palatino durante a noite. No dia seguinte, no Senado, foram lidas as determinações do funeral que Augusto pedira por escrito, assim como as "Res gestae", mais tarde inscritas em duas colunas de bronze que flanqueavam a entrada no mausoléu familiar.

 

O corpo inerte do imperador foi conduzido ao Campo de Marte no interior de um féretro de marfim e ouro. Sobre ele, uma imagem de cera representava o defunto com roupas triunfais; atrás do cortejo, desfilavam atores mascarados que representavam os antepassados, humanos e divinos, da família imperial, recuando até aos tempos de Rómulo.

 

Druso, o Menor, filho de Tibério, leu o elogio fúnebre na tribuna dos oradores, ao mesmo tempo que o pai pronunciava outro discurso no templo do Divo Iulio. Só então os restos foram levados para a pira e, embora ainda ardesse, o iurator Numério Ático, alegadamente aliciado por Lívia com um suborno no valor de um milhão de sestércios, jurou que vira a alma do defunto ascender até aos céus.

 

Segundo o cronista Dião Cássio, as manifestações de pesar na cidade foram moderadas. Só muitos anos depois, quando os excessos tirânicos dos sucessores de Augusto fizeram relembrar o governo do primeiro imperador como um período de liberdade moderada e de monarquia não opressiva, é que o seu reinado foi ideologicamente recuperado e colocado em perspectiva. A história tem, com frequência, tendência a ser reponderada face às vicissitudes posteriores a cada reinado. Com Augusto, isso sucedeu seguramente.

 

Morto o líder, Lívia foi declarada herdeira de um terço do património da família e adotada como filha de Augusto. Converteu-se na sacerdotisa oficial do culto do princeps divinizado. Os cônsules encarregaram-se anualmente da celebração do nascimento de Augusto e deu-se o nome de augustus (agosto) ao mês da sua morte, adicionando-lhe por isso mais um dia (na altura tinha apenas 30), descontado no mês de fevereiro (à época, o segundo mês do ano também tinha 30 dias). É essa a razão para a excentricidade de fevereiro ser o mês mais curto do ano no nosso calendário moderno.