Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Torre de Babel

Torre de Babel

Os cirurgiões plásticos conseguem eliminar rugas e cicatrizes?

A procura de uma pele macia nada tem de novo. Há cerca de 3500 anos, as mulheres egípcias esfregavam o rosto com uma mistura abrasiva de alabastro moído, leite e mel. Atualmente, os cirurgiões cosméticos empregam uma variedade de técnicas para melhorar a pele.

 

5781c5ab2c54c77ec6a4f7ff8e24f8a0--halloween-makeup

 

Uma delas, a dermabrasão, é um processo pelo qual as camadas superiores da pele são literalmente passadas à lixa. Embora o processo não consiga remover as depressões ou outras cicatrizes profundas devidas à acne, pode torná-las menos visíveis e ajudar a alisar as linhas e rugas mais finas.

 

Ao remover as camadas exteriores da pele, a dermabrasão retira também muito do respetivo pigmento. O processo pode, por consequência, afetar a cor da tez, mesmo depois de ter crescido a nova pele; isto é particularmente verdadeiro nos negros e outros indivíduos de pele escura.

 

Outra técnica é a remoção química das camadas superiores da pele. Há já muitos anos os médicos vêm utilizando produtos químicos para queimar verrugas e outras excrescências benignas da pele. O processo, tecnicamente denominado quimiocirurgia, pode também empregar-se para fazer desaparecer pequenas rugas, especialmente as que circundam a boca e os olhos.

 

Para o paciente, este processo, bem como os seus efeitos, é semelhante ao da dermabrasão. Tal como nesta, a remoção da pele acarreta consigo o perigo de a parte tratada nunca chegar a reaver a sua cor primitiva. Alguns dermatologistas recomendam o processo unicamente às pessoas de pele clara, nas quais parece produzir melhores resultados.

 

As linhas de clivagem naturais da pele

 

O colagénio da camada inferior (ou reticular) da derme encontra-se disposto em feixes fibrosos que formam um padrão de dobras naturais da pele, designadas por linhas de Langer. Mesmo a operação cirúrgica mais perfeita deixa cicatrizes, ainda que algumas sejam muito menos visíveis que outras. Este facto resulta de o cirurgião, sempre que possível, faz as incisões ao longo das linhas naturais, pelo que a cicatriz mais não parece que uma outra dobra.