Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Torre de Babel

Torre de Babel

Saiba quais são as principais complicações da diabetes

Todas as formas de diabetes aumentam o risco de complicações no longo prazo. Estas geralmente desenvolvem-se após muitos anos (entre 10 e 20), mas podem ser o primeiro sintoma em pessoas que não receberam um diagnóstico antes das primeiras complicações surgirem.

 

complicações.jpg

 

Existem muitas complicações resultantes desta doença, mas as principais complicações a longo prazo da diabetes são referentes a danos nos vasos sanguíneos. Os diabetes dobram o risco de doença cardiovascular e cerca de 75% das mortes em diabéticos são devido a doença arterial coronariana. Outras doenças “macrovasculares” são acidente vascular cerebral (AVC) e doença vascular periférica.

 

As principais complicações da diabetes devido a problemas em pequenos vasos sanguíneos incluem danos nos olhos, rins e nervos. Os danos nos olhos, conhecidos como retinopatia diabética, são causados por rutura nos vasos sanguíneos da retina do olho, o que pode resultar em perda de visão gradual. Os danos nos rins, conhecidos como nefropatia diabética, podem levar à formação de cicatrizes no tecido, perda de proteínas pela urina e, eventualmente, doença renal crónica, o que requere a necessidade de diálise ou transplante renal. Os danos nos nervos do corpo, conhecidos como neuropatia diabética, são a complicação mais comum da diabetes, presentes numa grande parte das pessoas afetadas por esta doença.

 

Os sintomas também podem incluir entorpecimento, formigueiro, dor ou sensação de dor alterada, o que pode levar a danos na pele do paciente. Problemas nos pés relacionadas com a diabetes (como úlceras do pé diabético) podem ocorrer, e pode ser difícil de tratar, sendo que ocasionalmente leva à amputação. Além disso, a neuropatia diabética proximal provoca perda de massa muscular e fraqueza.

 

Existe uma relação entre défice cognitivo e diabetes. Em comparação com aqueles sem diabetes, aqueles com a doença têm uma taxa entre 1,2 a 1,5 vezes maior de declínio da função cognitiva.