Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Torre de Babel

Torre de Babel

José Maria de Abreu

Professor (1818-1871). Catedrático em Coimbra, lecionou Filosofia e propôs a concepção de cursos superiores de Letras, em Coimbra e em Lisboa. Também defendeu a criação na Universidade de Coimbra de cursos ou de escolas dedicados à agricultura e à veterinária.

 

Visconde_do_Rio_Branco_1879.jpg

 

A ele se deve uma administração inteligente do ensino. Foi diretor-geral da Instrução Pública. Conceituado entre os seus pares, deixou diversas obras, como A Criação de Um Curso Especial de Ciências Económicas e Administrativas na Universidade de Coimbra (1849), Almanaque da Instrução Pública em Portugal (1857-1858) e Legislação Académica, em quatro volumes.

D. José de Abreu

Militar (1771-1827). Barão do Cerro Largo, foi marechal-de-campo e governador das armas do Rio Grande do Sul.

 

jose-de-abreu-retrato-colorizado-709x1024.png

 

Entre 1816 e 1820, combateu os uruguaios, comandados pelo ditador José Gervásio Artigas. Faleceu durante a Batalha de Ituzaingó, travada contra as tropas argentinas e uruguaias. Os seus soldados apelidaram-no de Anjo da Vitória.

Quem foi Amy Johnson e porque a Google lhe dedica um doodle

Este sábado, dia 1 de julho, celebramos a aviadora britânica Amy Johnson (1903-1941), no 114º aniversário do seu nascimento. A primeira mulher a voar sozinha da Inglaterra para a Austrália, Johnson tornou-se um símbolo de perseverança e uma inspiração feminista em todo o mundo.

 

Amy_Johnson_portrait.jpg

 

Participar no campo de aviação dominado na época pelos homens mostrou-se difícil, mas não impossível, para Johnson. Embora ela não fosse um piloto naturalmente dotado, Amy possuía uma resiliência inabalável que inspirou as futuras gerações. De facto, antes de estabelecer o seu primeiro recorde mundial de voo em 1930, a forte determinação e a força da Amy qualificaram-na para ser a primeira engenheira de terra treinada pela Inglaterra – por uma breve estadia, ela era a única mulher no mundo a ocupar esse cargo.

 

Esse tipo de currículo não passa despercebido. Para homenagear o regresso a casa do seu voo solo recorde da Inglaterra para a Austrália, Amy foi recebida de volta com a melodia "Amy, Maravilhosa Amy" – uma música de sucesso gravada por Jack Hylton e a sua orquestra.

 

02A0C8AC0000044D-3386622-image-a-2_1452070752891.j

 

Amy Johnson rapidamente se juntou às fileiras de outras grandes aviadoras femininas, como Amelia Earhart e Pancho Barnes, ao quebrar vários recordes mundiais – incluindo o registo do seu marido para o voo solo mais rápido de Londres para Cape Town. Ao longo da sua carreira, ela fez manchetes como a "British Girl Lindbergh" e "The Long Girl Flyer". A aviadora pioneira deixou mais tarde as suas aventuras de voo solo para se tornar Primeiro Oficial no Auxiliar de Transporte Aéreo durante a Segunda Guerra Mundial.

 

 

Para comemorar o espírito desta aviadora destemida, o Google Doodle deste sábado lembra-nos que não há nenhum desafio que seja impossível de alcançar. Feliz aniversário "Amy maravilhosa"!

João Gomes de Abreu

Poeta e navegador (séculos XV-XVI). Oriundo de uma família fidalga, não era pessoa do agrado de D. João II, o que o levou ao desterro. Regressou em 1498, para partir para a Índia a 6 de março de 1506, capitaneando uma nau da Armada comandada por Tristão da Cunha, onde também seguia Afonso de Albuquerque.

 

Nau_de_Rui_Vaz_Pereira_levantada_por_um_monstro_ma

 

Amigo de D. Manuel I, tinha a alcunha de O das Trovas. Há poesias suas no Cancioneiro Geral, onde manifesta facilidade e graça.

Guilherme Augusto de Vasconcelos Abreu

Orientalista (1842-1907). Formou-se em Matemática e Engenharia Naval, na Universidade de Coimbra. Na juventude, emigrou para o Brasil em busca de fortuna, desejo que não chegou a concretizar.

 

Guilherme_Vasconcelos_Abreu_large.jpg

 

Senhor de vários saberes, para além das ciências, também se deixou seduzir pelas letras. Admirou o Positivismo de Comte e partiu para França em 1874, instalando-se em Paris, onde conheceu o filósofo e lexicógrafo Littré, bem como o orientalista Bergigne.

 

Já em 1875, em Munique, privou com Martinho Haug, professor de sânscrito. Também como fruto desta trajetória, foi um verdadeiro apaixonado pelas línguas e culturas orientais, o que o levou, quando regressou a Portugal, a lecionar sânscrito no Curso Superior de Letras de Lisboa.

 

Do seu curriculum constam as colaborações com diversas instituições portuguesas e estrangeiras – tendo representado Portugal no Congresso Internacional de Orientalistas, em 1889 – bem como uma extensa bibliografia, como a Gramática de Sânscrito.